Imprensa

Moçambique e China reforçam cooperação

Moçambique e China reforçam cooperação

A Presidente da Assembleia da República, Verónica Macamo, vai receber o presidente do Comité Permanente da 13.ª Assembleia Popular Nacional da China, Li Zhanshu, de visita oficial a Moçambique desde sábado, com quem irá abordar assuntos relacionados com o reforço dos laços de cooperação existentes entre os dois países.

O primeiro vice-presidente da Assembleia da República, António José Amélia, disse que a visita servirá, entre outros objectivos, para Moçambique e China estreitarem os laços de cooperação no domínio parlamentar e operacionalizar os acordos assinados na recente visita que a presidente do Parlamento moçambicano fez à China.

Disse esperar que esta deslocação sirva também para acelerar a implementação dos entendimentos assumidos pelas partes e flexibilizar o comprometimento em vários domínios.

Li Zhanshu vai ainda visitar o projecto de construção da ponte Maputo-Ka Tembe, financiado pelo Governo chinês e executado por companhias deste país asiático.

Ontem, Li Zhanshu testemunhou o lançamento do projecto de Televisão Rural por Satélite, em Marracuene, na província de Maputo. 

A presidente da Assembleia da República, Verónica Macamo, esteve em Beijing, a capital chinesa, em meados de Fevereiro deste ano onde se reuniu com o presidente da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC), Yu Zhengsheng - este assegurou então que a China está disposta a trabalhar com Moçambique para expandir a cooperação mutuamente benéfica em várias áreas.

Assegurou que há um comprometimento da China em trabalhar com Moçambique no sentido de impulsionar a implementação dos acordos alcançados durante o Fórum de Cooperação China-África, que se realizou em Joanesburgo em 2015, no qual o Presidente chinês, Xi Jinping, anunciou 60 mil milhões de dólares, em assistência e empréstimos para os países africanos.

No ano passado, os dois países assinaram um acordo de parceria e cooperação estratégica global durante a visita do Presidente da República, Filipe Nyusi, à China, documento que estabelece 14 princípios que deverão nortear as relações bilaterais e prevê fortalecer os contactos mútuos entre o Exército, Polícia e serviços de inteligência.

No aspecto económico e comercial, o mesmo acordo dedica ainda uma cláusula à iniciativa chinesa Rota Marítima da Seda do século XXI, um gigante plano de infra-estruturas que pretende reactivar a antiga rota da seda entre a China e a Europa, através da Ásia Central, África e sudeste asiático.

Neste sentido, os dois países devem cooperar nas áreas de transporte marítimo, construção de portos e zonas industriais portuárias, aquacultura em mar aberto e pesca oceânica.