Imprensa

Cinco óbitos saldo da campanha eleitoral

Cinco óbitos saldo da campanha eleitoral

Cinco óbitos, 20 feridos e 26 detidos é o balanço dos 13 dias de campanha eleitoral, que terminou a meia-noite de domingo, para as autárquicas de 10 de Outubro corrente nos 53 municípios existentes em Moçambique.

A informação foi avançada pelo porta-voz da Polícia da República de Moçambique (PRM), Inácio Dina, em conferência de imprensa hoje, em Maputo, e que tinha por objectivo fazer o balanço da campanha eleitoral.

“Destes cinco óbitos, importa fazer referência que não estavam ligados directamente com a campanha eleitoral. Essa ocorrência é relativa aos acidentes de viação que tiveram como consequência dois óbitos por atropelamento em Manica, um caso de electrocussão ocorrido quando um simpatizante procurava colar um panfleto no poste de energia acabando por ser electrocutado e também um acidente de viação do tipo choque contra obstáculo fixo na Zambézia”, disse.

Segundo o porta-voz da PRM, também há registo de 28 ocorrências que resultaram na detenção de 26 pessoas por desacato durante a campanha eleitoral.

“Tivemos 14 ilícitos eleitorais, oito ofensas corporais entre qualificadas e simples, três acidentes de viação, dois casos de dano em viatura e um caso de electrocussão”.

Fazendo uma avaliação de todo o processo eleitoral, a PRM considera que a presente campanha foi a mais tranquila na história das eleições autárquicas no país, apesar de algumas escaramuças registadas no domingo, último dia de campanha.

A PRM confirma a invasão a sede da Renamo, na cidade de Tete, capital da província com o mesmo nome, uma acção que tinha por objectivo libertar três indivíduos, entre os quais um adolescente de 13 anos, que haviam sido feito reféns por alegados membros e simpatizantes daquela formação política.

Sobre a informação posta a circular nas redes sociais sobre a detenção do cabeça de lista da Renamo naquela cidade o porta-voz garantiu tratar-se de um simples boato.

“O cabeça de lista da Renamo não está detido. A informação que circula não constitui a verdade, os simpatizantes desse partido estavam arremessar objectos e a danificar uma viatura que ficou totalmente carbonizada”.

A fonte garantiu que tudo está a ser feito para que as eleições de quarta-feira próxima decorram sem sobressaltos. Lançou um apelo dirigido aos partidos, coligação de partidos políticos e eleitores a pautarem pelo civismo no dia da votação.

“Chamar a responsabilidades todos os responsáveis das formações política, organizações políticas, partidos, grupos de cidadãos eleitores para que se responsabilizem em consciencializar os seus simpatizantes para se distanciarem em actos que possam provocar alteração da ordem pública ”.

O porta-voz da PRM aproveitou a oportunidade para lançar um apelo dirigido a todos os cidadaos para evitarem aglomerações ao redor das assembleias de voto. Advertiu que nenhum cidadão está autorizado a ficar a uma distância inferior a 300 metros das assembleias de voto depois de exercer o seu direito cívico.

“No dia da votação nós temos assistido a presença massiva de eleitores nas mesas de voto e isso é proibido por lei. Existem delegados, representantes das formações políticas para servir de olho e ouvido de todos os simpatizantes de qualquer formação política”.

Refira-se que geralmente, as aglomerações são fomentadas por alguns partidos políticos sob o argumento de querer proteger o seu voto.
(AIM)