Imprensa

EUA entregam laboratório de análises clínicas médico-militar

A Embaixada dos Estados Unidos da América (EUA) entregou, esta quarta-feira, através do Escritório do Adido da Defesa, o Laboratório de Análises Clínicas reabilitado do Posto Médico Militar de Matacuane, na Cidade da Beira, província central de Sofala.

A reabilitação do laboratório custou está 130 mil dólares americanos financiados pelo Plano de Emergência do Presidente dos Estados Unidos para o Alívio do SIDA (PEPFAR).
No âmbito da cooperação entre os governos dos EUA e de Moçambique, coube ao Embaixador dos Estados Unidos da América, Dean Pittman, fazer a entrega formal do edifício do laboratório ao Ministro da Defesa Nacional, Major General Atanásio Ntumuke, um acto que contou com a presença de altas patentes das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM), outras individualidades e a população em geral. 
“A reabilitação e expansão desta infra-estrutura melhorou muito o ambiente de trabalho, a segurança do pessoal e a eficiência do laboratório. Anteriormente, o laboratório funcionava em duas salas pequenas e agora conta com cinco salas”, indica um comunicado da Embaixada americana em Maputo, enviado hoje a AIM.

Com a nova estrutura, segundo a nota, o laboratório dispõe de salas dedicadas à baciloscopia (para testar a tuberculose - TB); parasitologia de urina e fezes; bioquímica; hematologia e contagem de CD4; e colecta e armazenamento de amostras. Serviços como o teste de TB e parasitologia não eram oferecidos anteriormente aos pacientes nesta unidade de saúde devido à falta de espaço para testar as amostras de forma segura.
“Este laboratório servirá 4.841 pacientes seropositivos actualmente registados, bem como pacientes com outras patologias”, refere o comunicado. 
Cerca de 70 doentes seropositivos são registados, mensalmente, para tratamento nesta unidade hospitalar. “A nossa parceria com as FADM é importante para garantir que tenhamos um exército livre do SIDA. O laboratório desempenhará um papel importante no diagnóstico das tropas da FADM e ajudará a acabar com esta epidemia crítica.”
(AIM)